Desenvolvimento dos Biossimilares

Compartilhe:

info_biossimilares-02-new_aprovado

O desenvolvimento clínico de biossimilares e medicamentos biológicos originadores possui diferenças bastante importantes. No caso dos originadores, os investimentos em pesquisas in vitro e físico-químicas têm menor custo comparados aos estudos de fase 3, onde o medicamento é testado em pacientes selecionados. O custo total do desenvolvimento de um medicamento biológico é entre 1-2,250 bilhões de dólares.¹

No caso dos biossimilares, a maior parte dos estudos durante o desenvolvimento ocorre através de comparações analíticas e pré-clínicas, que objetivam comparar o biológico proposto com o biológico originador. Como resultado, o custo de desenvolvimento de um biossimilar é estimado em cerca de 250 milhões de dólares – menos de um quarto do desenvolvimento de um medicamento biológico originador.¹

No início do processo para a criação dos biossimilares, a estrutura molecular e a sequência de aminoácidos são identificadas e usadas como parâmetro. Este é um processo bastante complexo, pois os produtos biológicos são produzidos em cultura celular, onde uma célula é modificada para produzir proteínas recombinantes que dão origem aos biofármacos.²

Durante o processo, múltiplos testes de comparação entre o biossimilar e o medicamento biológico originador devem ser feitos para que se possa comprovar a biossimilaridade.2-4

Figura 1: Desenvolvimento de Biofármacos

Fonte: Adaptado de Martin, 2015.

As agências regulatórias, como a Anvisa, no Brasil, e o FDA (Food and Drug Administration), nos EUA, exigem a comprovação de equivalência comparativa através de testes e estudos específicos, para a aprovação dos biossimilares; do ponto de vista de estrutura, atividade biológica e pureza, exige-se que o biossimilar seja “altamente similar” em relação ao medicamento originador. No estudo clínico de equivalência, os desfechos de resposta clínica devem estar dentro da margem de equivalência especificada. Caso não estejam, o biossimilar não é considerado equivalente ao medicamento biológico originador, o que resulta na reprovação.5,6

Estudos não clínicos

Os estudos não clínicos devem ser realizados antes dos ensaios clínicos em humanos. Nesta fase, estudos in vitro (ou seja, análises físico-químicas e laboratoriais) e in vivo (em animais) são realizados para avaliar a semelhança entre o biossimilar proposto e o medicamento originador quanto ao seu mecanismo de ação, sua atividade funcional e seus atributos de qualidade.4,5,7,8

Estudos clínicos

Os estudos clínicos são feitos em humanos e são responsáveis por fornecer mais informações sobre fatores importantes para a aprovação de um biossimilar.2 São eles:

– Estudos farmacocinéticos: necessários para comparar a biodisponibilidade entre o biossimilar proposto e o biológico originador, quanto ao caminho que esta percorre no organismo do paciente, sua absorção, distribuição, metabolismo e eliminação;4,5,7,8

– Estudos farmacodinâmicos: responsáveis por garantir que o medicamento proposto tenha eficácia no tecido alvo equivalente ao originador, bem como mecanismo de ação idênticos;4,5,7,8

– Estudos de eficácia: nesta fase, deve-se analisar se existe alguma diferença significativa entre o produto originador e o biossimilar quanto a sua eficácia no tratamento;4,5,9

– Segurança clínica (analisada em conjunto nos estudos de eficácia): analisam-se as reações adversas e os eventos ocorridos no uso do medicamento. É importante que seja feita a comparação dos tipos, gravidades e frequências dos eventos adversos entre o biossimilar e o medicamento biológico originador, para garantir a similaridade;4,8,9

– Extrapolação de eficácia e segurança de uma indicação para outra: caso o biológico originador tenha mais de uma indicação terapêutica, podem ser solicitadas a aprovação dessas outras indicações para o biossimilar, sem a necessidade de novos estudos clínicos. Para isso, é necessário que o biossimilar apresente características físico-químicas e farmacodinâmicas similares, as indicações apresentem mesmos alvos terapêuticos e mecanismos de ação, e a eficácia, a segurança do uso e a imunogenicidade estejam bem caracterizadas;8,9 

– Farmacovigilância: a segurança clínica dos biossimilares deve ser monitorada de forma permanente, para que a eficácia e qualidade do produto sejam garantidas.8,9

 

Referências Bibliográficas

  1. BLACKSTONE, E. A.; JOSEPH, P. F. The Economics of Biosimilars. Health Drug Benefits, v. 6, n. 8, p. 469-78, 2013.
  2. RAK TKACZUK, K. H. et al. Biosimilars in Oncology: From Development to Clinical Practice. , v. 41, n. 2, p. S3-S12, 2014. Suplemento 3.
  3. BERKOWITZ, S. A. et al. Analytical tools for characterizing biopharmaceuticals and the implications for biosimilars.  Drug Discov., v. 11, n. 7, p. 527-40, 2012.
  4. MARTIN, K. European experience with Biosimilars. Santo, 2015. Disponível em: <http://www.santo.kz/en/doctors/publishing/european-experience-with-biosimilars/>. Acesso em: jul. 2018.
  5. ZELENETZ, A. D. et al. NCCN Biosimilars White Paper: regulatory, scientific, and patient safety perspectives.  Compr. Canc. Netw., v. 9, p. S1-22, 2011. Suplemento 4.
  6. BENNETT, C. L. et al. Regulatory and clinical considerations for biosimilar oncology drugs. Lancet Oncol., v.15, n. 13, p. e594-e605, 2014.
  7. ALTEN, R.; CRONSTEIN, B. N. Clinical trial development for biosimilars. Arthritis Rheum., v. 44, p. S2-S8, 2015. Suplemento 6.
  8. KOZLOWSKI, S. et al. Developing the nation’s biosimilars program.  J. Med., v. 365, n. 5, p. 385-8, 2011.
  9. RUGO H. S. et al. A clinician’s guide to biosimilars in oncology. Cancer Treat. Rev., v. 46, p. 73-9, 2016.

Veja Também

Surgimento dos medicamentos biossimilares

Os medicamentos biológicos, ao contrário dos sintéticos, são produzidos a partir de células vivas modificadas geneticamente. Esse processo faz com que sejam criados mecanismos de defesa equivalentes aos do organismo, além de resultar em produtos altamente específicos, dirigidos para qualquer alvo molecular, como marcadores de células cancerígenas, substâncias endógenas, enzimas e receptores.1 Desde a aprovação […]

Zedora é o primeiro biossimilar para tratamento oncológico aprovado no Brasil

O câncer é uma das principais causas de morte no mundo, nos últimos 20 anos a introdução dos produtos biológicos tem causado um grande impacto terapêutico e ao mesmo tempo sobre os custos nos sistemas de saúde.1 Os produtos biossimilares são uma opção no tratamento de pacientes que sofrem com condições graves. Os biossimilares são […]

Primeiro biossimilar aprovado no Brasil

Os biossimilares são medicamento que, através de testes de comparabilidade com um biológico inovador, podem auxiliar no tratamento de diversas doenças e com um melhor custo-benefício. A expectativa é que a presença de biossimilares no mercado brasileiro aumente o acesso a produtos biológicos e reduza as despesas com saúde para os setores público e privado, […]

Mantenha-se informado sobre Biossimilares

Assine a newsletter do site e receba periodicamente as novidades em seu e-mail.

Fale conosco