Notícias

02 fev.2021

Imunogenicidade: o que é?

Compartilhe:

Você sabia que para entender verdadeiramente os medicamentos biossimilares é necessário entender um conceito com um nome complicado, a imunogenicidade?

Entende-se por imunogenicidade o potencial que determinado medicamento biológico tem de desencadear respostas imunes no organismo do paciente em tratamento, ou seja, ser reconhecido como uma proteína estranha e estimular a produção de anticorpos contra o medicamento.

A imunogenicidade de um medicamento biológico pode ser alterada por qualquer mudança sutil nos processos de fabricação, purificação, envase e armazenamento. Qualquer impacto na estrutura molecular do produto biológico pode resultar no comprometimento da eficácia dos tratamentos e até mesmo em reações anafiláticas. O potencial imunogênico dos produtos biológicos também pode sofrer alterações por conta da dose, formulação e/ou via de administração.

Da mesma forma, é importante considerar que fatores individuais, particulares do organismo de cada paciente, também são determinantes para a imunogenicidade. Por esses motivos, os parâmetros de segurança que regulamentam a produção de medicamentos biológicos são extremamente rigorosos.

Imunogenicidade e a regulamentação dos medicamentos biossimilares
A agência federal do departamento de saúde e serviços humanos dos Estados Unidos, o FDA (Food and Drug Administration), coloca como objetivo do estudo de imunogenicidade a avaliação das diferenças entre os medicamentos biológicos originadores e os medicamentos biossimilares.

De acordo com a regulamentação de biossimilares, é preciso um estudo de imunogenicidade com o intuito de avaliar a incidência das respostas imunes desencadeada em humanos e, consequentemente, analisar comparativamente a segurança do medicamento. Dessa forma, a partir deste método, estabelece-se se existem ou não diferenças clinicamente significativas entre os produtos biológicos e os produtos biossimilares.


Pesquisa de imunogenicidade e a importância dos biossimilares
O surgimento dos produtos biológicos revolucionou o tratamento de doenças crônicas, graves, raras e até mesmo as que não respondiam às terapias convencionais. Contudo, o alto custo desses medicamentos é uma grande problemática para os sistemas de saúde ao redor do mundo.

A regulamentação dos medicamentos biossimilares e a intercambialidade representam hoje um dos maiores desafios e estão presentes nas principais discussões sobre a saúde no mundo. Principalmente porque esse desafio trata da democratização do acesso a esses medicamentos para a população.

Além disso, os problemas relacionados à intercambialidade de produtos biológicos e ao uso de biossimilares, no Brasil, são ainda mais complexos. As preocupações incluem a substituição automática, nomenclatura, farmacovigilância, a própria imunogenicidade e também a extrapolação das indicações terapêuticas.

Em suma, apesar dos desafios, os medicamentos biossimilares são um assunto que ganha cada vez mais visibilidade nos cenários da saúde do Brasil e do mundo. A pesquisa de imunogenicidade é uma importante ferramenta que possibilita o desenvolvimento dos biossimilares e aprofundamento das análises relacionadas à segurança do tratamento.


Referências bibliográficas
EMA – European Medicines Agency. Biosimilars in the EU – Information guide for healthcare professionals. 2019.

Pimentel FF, Morgan G, Tiezzi DG, et al. Development of New Formulations of Biologics: Expectations, Immunogenicity, and Safety for Subcutaneous Trastuzumab. Pharmaceut Med. 2018;32(5):319-25.

Schellekens H. Factors influencing the immunogenicity of therapeutic proteins. Nephrol Dial Transplant. 2005;20(Supl 6):vi3-9.

Schellekens H. The immunogenicity of therapeutic proteins. Discov Med. 2010;9(49):560-4.

Weise M, Bielsky MC, De Smet K, et al. Biosimilars: what clinicians should know. Blood. 2012;120(26):5111-7.

FDA – Food and Drug Administration. Scientific Considerations in Demonstrating Biosimilarity to a Reference Product – Guidance for Industry. 2015.

Ministério da Saúde (BR). Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 55, de 16 de dezembro de 2010. Dispõe sobre o registro de produtos biológicos novos e produtos biológicos e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 de dez. 2010. Seção 1, p. 110.

Cherny NI, Sullivan R, Torode J, et al. ESMO International Consortium Study on the availability, out-of-pocket costs and accessibility of antineoplastic medicines in countries outside of Europe. Ann Oncol. 2017;28(11):2633-47.

Kurki P, van Aerts L, Wolff-Holz E, et al. Interchangeability of Biosimilars: A European Perspective. 2017;31(2):83-91.

Fernandes GS, Sternberg C, Lopes G, et al. The use of biosimilar medicines in oncology – position statement of the Brazilian Society of Clinical Oncology (SBOC). Braz J Med Biol Res. 2018;51(3):e7214.

Wolff-Holz E, Garcia Burgos J, Giuliani R, et al. Preparing for the incoming wave of biosimilars in oncology. ESMO Open. 2018;3(6):e000420.

Fevereiro/2021

Notícias Relacionadas

Mantenha-se informado sobre Biossimilares

Assine a newsletter do site e receba periodicamente as novidades em seu e-mail.

Fale conosco