Notícias

03 jul.2018

SBOC se posiciona favorável à introdução dos biossimilares no Brasil

Compartilhe:

De acordo com artigo publicado pela entidade, os biossimilares irão ampliar o acesso dos pacientes ao tratamento de várias doenças

A Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) se posicionou favoravelmente à introdução dos biossimilares no Brasil. O posicionamento foi divulgado no Brazilian Journal of Medical and Biological Research. Os biossimilares são produtos semelhantes aos biológicos inovadores, mas que não podem ser chamados de genéricos por não serem completamente idênticos ao de originador. Como os biológicos são produzidos ou extraídos de seres vivos por meio de processos biotecnológicos, é impossível reproduzir identicamente um medicamento biossimilar. Esse tipo de fármaco, para ser aprovado no Brasil, deve passar por diversos tipos de testes e comprovações para qualificar a efetividade, a segurança e a semelhança do produto com o medicamento de origem.1,2

Opinião de especialistas

De acordo com Dr. Gustavo Fernandes, vice-presidente para Relações Nacionais e Internacionais da SBOC, a introdução dos biossimilares deve ser feita desde que sejam comprovadas a eficácia e a segurança do medicamento em questão. Especialistas reconhecem a necessidade de baixar os custos das drogas oncológicas para ampliar o acesso dos pacientes aos tratamentos. É fato que a entrada de biossimilares no mercado promoverá uma competição saudável entre os fabricantes.1

O objetivo principal não é economizar, mas possibilitar que o maior número de pacientes possível tenha acesso aos medicamentos. Especialistas afirmam que quando o biossimilar apresenta o mesmo resultado que se espera com o medicamento de referência, a decisão de qual utilizar deve ser baseada apenas no menor custo, pois não há benefício clínico incremental entre eles. De acordo com um artigo da SBOC, as drogas biológicas representam, hoje, apenas 2% de todos os medicamentos adquiridos pelo Ministério da Saúde, mas consomem 41% do orçamento para esse fim.1,2

Regulamentação

A Anvisa vem desempenhando uma importante missão frente a segurança e eficácia dos medicamentos biossimilares e sua regulamentação no Brasil. Nos Estados Unidos, no Canadá e na Europa, apenas os biossimilares que apresentam evidências clínicas robustas são aprovados. É preciso muito cuidado, pois o caráter orçamentário é um dos benefícios de um medicamento como esse, entretanto, não deve ser o único requisito na regulamentação dos biossimilares.1

 

 

Referências Bibliográficas:

  1. SBOC – Sociedade Brasileira de Oncologia. Notícias: A Chegada dos biossimilares à oncologia brasileira. 2018. Disponível em: <https://sboc.org.br/noticias/item/1175-a-chegada-dos-biossimilares-a-oncologia-brasileira>. Acesso em: jun. 2018.
  1. FERNANDES, G. S. et al. The use of biosimilar medicines in oncology – position statement of the Brazilian Society of Clinical Oncology (SBOC). Braz. J. Med. Biol. Res., v. 51, n. 3, e7214, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/bjmbr/v51n3/1414-431X-bjmbr-1414-431X20177214.pdf>. Acesso em: jun. 2018.

Notícias Relacionadas

Mantenha-se informado sobre Biossimilares

Assine a newsletter do site e receba periodicamente as novidades em seu e-mail.

Fale conosco